CONJUNTO HABITACIONAL DO CARIANOS

7 dez

INTRODUÇÃO

Nosso projeto deu início com a escolha de uma servidão. Após algumas análises, escolhemos a Servidão Gervásio José da Silva, localizada no bairro Carianos, no sul da ilha de Florianópolis, próxima ao aeroporto da cidade e ao manguezal do Rio Tavares.

Servidão Gervásio José da Silva

Sua topografia se desenvolve basicamente plana, e sua extensão é de 560 metros, com início em uma avenida de tráfego intenso e final no limite do mangue. As edificações já existentes estão nas bordas da quadra, restando no interior uma faixa e terrenos livres. Originalmente, a faixa de terrenos relacionados à servidão era de apenas 15 metros de largura. Porém, hoje existe ao lado da servidão um terreno de aproximadamente 20 metros de largura, sem nenhum uso específico, tornando possível sua implementação à área da servidão original. Deste modo, com a desapropriação das casas da rua vizinha, visando nossas diretrizes de projeto, a largura total do terreno passou para 55 metros, conferindo mais liberdade à implantação do conjunto habitacional.

Lotes vazios e edificados

Área total utilizada no projeto

Segundo o plano diretor, há um projeto de criar uma grande área verde de lazer para o bairro no limite entre ele e o mangue. Tirando partido desse projeto, optamos por transformar a servidão em um canal de ligação entre o bairro e a futura área verde.

Propostas de áreas verdes para o bairro

Assim, a servidão, constituída anteriormente por vários lotes, torna-se um lote único em nosso projeto, quebrando a obrigatoriedade de alinhar as edificações à rua. Elas podem estar deslocadas, criando espaços comuns de lazer entre as edificações e entre o público e privado, aproximando essa relação. As áreas entre os módulos agregam praças, equipamentos e áreas verdes que equilibram a relação da servidão com o parque linear na borda do mangue.

Quanto ao sistema viário, a rua da servidão foi ampliada e transformada em mão-única, com calçadas mais amplas em seus dois lados e a incorporação de uma ciclovia que se liga à do parque linear. Novos acessos também foram abertos no meio da quadra no sentido transversal, unificando a malha do bairro com a da servidão, permitindo maior permeabilidade.

Novos acessos e ciclovia

DIRETRIZES URBANÍSTICAS

  • Transformar a atual servidão em um eixo de ligação entre o bairro e a futura área verde do limite do mangue;
  • Criar um conjunto urbanístico e arquitetônico permeável, tanto visualmente quanto nos acessos do bairro à servidão;
  • Integrar os espaços públicos e privados de forma a não somente propiciar a interação entre os moradores, mas criar uma nova relação entre eles e a própria vivência comunitária;
  • Modificar a malha viária do bairro, criando novos acessos para carros ligando a servidão ao bairro;
  • Criar uma praça de entrada, que estará localizada num pequeno centro comercial, fazendo uma ligação com a praça já existente;
  • Entre os blocos edificados, proporcionar pequenas áreas verdes com equipamentos de lazer que estimulem o usuário a ir ao parque no final da servidão;
  • Ciclovias de acesso através da servidão, interligadas à ciclovia do parque linear;
  • Edificação ligada à cultura, na entrada do parque linear (final da servidão);
  • Associação de moradores junto com um salão de festas ou área de encontro da comunidade

    Perspectiva do conjunto (Clique aqui para ampliar a imagem)

IMPLANTAÇÃO

  • Implantação geral

A implantação geral foi pensada de modo a valorizar a relação da servidão, que se tornou um eixo verde de ligação, com o bairro e o próprio mangue. Deste modo, realizou-se um plano de densificação que visa transmitir ao usuário, em cada quadra criada, uma nova experiência deste com a natureza ao seu redor e o volume edificado.

Implantação Geral do Conjunto (Clique aqui para ampliar a imagem)

  • 1ª quadra

Na primeira quadra, manteve-se o caráter comercial da entrada da servidão, porém com a ampliação do que antes era um mercado para um centro comercial, que se une à praça de entrada da servidão. Escolhemos, deste modo, aliar a necessidade de densificar o volume edificado, para abrigar um maior número de pessoas, às sensações que pretendíamos criar ao longo da servidão. Esta quadra possui 14 casas (7 térreas e 7 de dois andares) e um único prédio de 4 andares, com 16 apartamentos por bloco, sendo 64 apartamentos no total, variando de 1 a 3 quartos.

Implantação da 1a quadra (Clique aqui para ampliar a imagem)

  • 2ª quadra

Na quadra seguinte, reduzimos a massa edificada, com um prédio de apartamentos com apenas 2 blocos, e 10 casas, sendo 5 térreas e 5 de dois pavimentos. Aumentamos então as áreas verdes, introduzindo o caráter de ligação verde no local. No final da quadra, um salão de festas com churrasqueira para o conjunto habitacional, integrado a uma área de lazer e próximo à edificação da zeladoria do conjunto, na próxima quadra.

Implantação da 2a quadra (Clique aqui para ampliar a imagem)

  • 3ª quadra

Na 3ª quadra, a presença do verde se torna bem mais clara ao usuário e ao próprio entorno com menos edificações e grandes espaços verdes. No final da quadra, fazendo a ligação com o parque linear do bairro, uma biblioteca/cafeteria atrai moradores diariamente para o parque.

Implantação da 3a quadra (Clique aqui para ampliar a imagem)

A implantação básica de cada módulo foi obtida através de estudos de insolação e ventilação, a fim de garantir melhores condições de conforto para a habitação. Porém, com o objetivo de inserir a servidão no contexto do bairro, com uma linguagem volumétrica semelhante ao seu entorno, seguimos a linha da rua como ordenadora da implantação, adaptando a planta baixa das residências para melhor adequar a essa proposta, rotacionando os módulos até eles ficarem com as fachadas voltadas totalmente para o norte, o sul, o leste e o oeste.

Assim, criamos aglomerados de habitações em faixas que se dispõem paralelamente ao eixo da servidão. Os módulos térreo e de dois andares, com 2 e 3 quartos respectivamente, estão dispostos em aglomerados de 4, 6 e 8 habitações cada, estando sempre a implantação destes com uma residência térrea intercalada com uma de 2 andares.

Implantação das casas (Clique aqui para ampliar a imagem)

Já os prédios de 4 pavimentos, com 1, 2 e 3 quartos, estão implantados na outra extremidade do terreno, criando outra faixa de edificações. Cada bloco, conectado ao outro por escadas, são intercalados de modo que um bloco tenha apenas apartamentos de dois quartos e outro bloco com apartamentos de 1 e 3 quartos.

Implantação dos prédios (Clique aqui para ampliar a imagem)

Perspectiva do bloco de apartamentos (Clique aqui para ampliar a imagem)

Essas duas faixas nas extremidades no lote deixam o meio livre e permeável, sendo usado para circulação, estar e lazer.

Perspectiva das faixas de casas e prédios (Clique aqui para ampliar a imagem)

DIRETRIZES DE PROJETO

  • Favorecer a ligação dos moradores com seu entorno, com uma conexão entre mangue e o bairro;
  • Criar uma nova forma de moradia, integrando o público e o privado, com casas sem muros, que tragam o exterior ao interior e vice-versa;
  • Dar opções de modificação dos espaços internos, com ampliações e a transformação de um quarto em escritório, sala comercial ou ofício;
  • Abranger diferentes perfis de família para o conjunto, através da disponibilidade de diferentes tipologias de habitação

    Passeio central da servidão, entre as faixas de casas e prédios (Clique aqui para ampliar a imagem)

HABITAÇÕES

As habitações fazem parte do Programa Minha Casa Minha Vida tendo assim características de habitações populares, com projetos que atentam ao baixo custo de execução aliados ao caráter social de moradias.

O projeto toma como base o ano de 2020. Assim, contando com algumas mudanças que ocorrerão até lá, como a construção do novo terminal do aeroporto e de um campus da UFSC, foram estabelecidos alguns fatores fundamentais, como a tipologia dos futuros moradores do bairro.

Aliando esses fatores a uma análise mais profunda das condicionantes do projeto, optou-se por trabalhar com três tipologias básicas: um, dois e três quartos, divididos em residências térreas e de dois andares e em prédios de quatro andares. O projeto constituiu-se através de módulos que se encaixam conforme a necessidade de cada bloco, criando um padrão que facilita a variação da tipologia das habitações, a concepção da estrutura e alguma provável futura ampliação.

Entrada das casas - Fachada leste (Clique aqui para ampliar a imagem)

Como a área próxima ao mangue esporadicamente alaga, as residências serão elevadas em 95cm em relação ao nível da rua. As vedações externas foram trabalhadas de forma a destacar um volume da edificação e quebrar a monotonia das fachadas, aliando isso ao conforto térmico. As fachadas de painéis de madeira ficaram voltadas para leste e sul nos prédios e para leste, sul e norte nas casas. As fachadas com insolação mais intensa, oeste, foram fechadas com placa cimentícia e suas aberturas são protegidas por pergolados.

Fachadas das casas protegidas por pergolados (Clique aqui para ampliar a imagem)

Pergolado nos fundos da casa (Clique aqui para ampliar a imagem)

Utilizaram-se também outros artifícios de conforto térmico. Como sistemas passivos, estudou-se a insolação e ventilação, buscando sempre a melhor alternativa para cada cômodo. Como sistemas ativos, o uso de painéis solares supre grande parte da demanda de energia das habitações, aliando economia à sustentabilidade.

O sistema de abastecimento de água levou em consideração que a concessionária forneça água com pressão e quantidade adequadas. Assim, eliminamos a caixa d’água superior e deixamos apenas uma no porão da casa, entre a fundação radier e a laje do pavimento térreo. Essa caixa alimentará as casas e os apartamentos por uma bomba.

Quanto ao acesso às casas, cada aglomerado de blocos possui uma rampa em cada extremidade do deck, e todos possuem escada. Nos prédios, a cada 4 módulos foram locadas escadas, e cada pavimento possui um corredor contínuo na fachada oeste, que já atende como brise.

As casas e os apartamentos possuem estacionamento coberto com vagas à 45° ao longo das vias que tangem a quadra.

Módulo de 1 quarto
          Os módulos de 1 quarto estão inseridos nos prédios de 4 pavimentos. Eles foram projetados basicamente para estudantes ou para um casal. Assim, pode-se apenas substituir a cama de casal por duas camas de solteiro, ou vice-versa.

Módulo de 2 quartos
          Os módulos de 2 quartos estão dispostos tanto nos prédios de 4 pavimentos quanto nos blocos térreos. Eles foram projetados para famílias de até 4 pessoas, onde os quartos podem ser ambos de casal ou solteiro, ou um de cada. Outra possibilidade também seria transformar um dos quartos em uma sala comercial ou de ofício e manter espaço para apenas duas pessoas no módulo.

Módulo de 3 quartos

Os módulos de 3 quartos estão dispostos tanto nos prédios de 4 pavimentos quanto nos blocos térreos de dois andares. Nessa tipologia, apenas as casas de dois pavimentos podem ser ampliadas. É o módulo que mais pode mudar com o decorrer dos anos. Como ele possui um terraço no pavimento superior, essa área pode ser utilizada para a construção de mais um quarto, totalizando 4 quartos  ou transformando o quarto do térreo em uma pequena sala comercial ou de ofício. Assim, esses blocos podem abrigar de 6 a 8 pessoas, sendo esta a maior capacidade do conjunto habitacional. Os quartos podem variar conforme a necessidade dos usuários, abrigando uma cama de casal ou duas camas de solteiro.

QUANTIDADE DE HABITAÇÕES

Casas Térreas – 19 unidades

Casas com dois pavimentos – 18 unidades

Bloco de apartamentos – 6 bloco, sendo que cada bloco possui 16 apartamentos

Desses blocos, 3 são de apartamentos de 2 quartos e 3 são de apartamentos intercalados em 1 quarto e 3 quartos, tendo então 24 aptos de 1 quarto, 48 aptos de 2 quartos e 24 aptos de 3 quartos

Assim, considerando-se 2 pessoas por quarto, em cada habitação têm-se:

Casa Térrea – 4 moradores por casa
76 moradores no total

Casa com dois pavimentos – 6 moradores por casa
108 moradores no total

Apartamentos:
Com 1 quarto – 2 moradores por apto – 48 moradores no total
Com 2 quartos- 4 moradores por apto – 192 moradores no total
Com 3 quartos – 6 moradores por apto – 144 moradores no total

Portanto, o total de moradores do conjunto é de 568 moradores.

SISTEMA CONSTRUTIVO

Os materiais utilizados foram escolhidos, além das vantagens apresentadas por eles, por motivos relacionados ao processo de construção industrializada para habitações de interesse social, que tem as seguintes bases:

  • sistematização dos produtos (utilização de componentes padronizados, os quais devem possuir características previamente estabelecidas, considerando fatores dimensionais, forma, peso, qualidade e desempenho como pontos primordiais dentro dos limites da aceitação).
  • especialização da mão de obra (divisão da obra em operações mais simples, dividindo-se em equipes de trabalhadores).
  • concentração de produção (aglomeração das casas, com controle de qualidade e utilização de matérias primas existentes na região).
  • mecanização (estratégias de produção e operações) .
Estrutura em Aço Leve (Light Steel Framing)
  • Fundação

Como nosso terreno está muito próximo ao mangue, a fundação utilizada é a do tipo radier, por transmitir mais uniformemente as cargas para o solo. Para evitar que a água entre na casa em casos de alagamento, ela será elevada do solo 95cm. Essa elevação é feita através de pilares de concreto, que não comprometem a estrutura ao ficarem ora embaixo, ora acima d’água.

  • Estrutura

Optamos por trabalhar com estrutura de vigas e pilares metálicos devido à suas vantagens quando à liberdade na divisão interna do módulo e nos materiais de vedação externa. Outra vantagem também é a demanda reduzida de tempo para sua montagem, o que gera economia nos custos com mão-de-obra e menor prazo para a entrega da moradia pronta.

A estrutura será composta de pilares de perfil de seção caixão e vigas de perfil I padrão europeu de 26cm de altura.

Viga I padrão europeu e seção caixão do perfil do pilar

  • Laje

A laje utilizada no projeto é steel deck, composta por uma telha de aço galvanizado e uma camada de concreto.

Corte esquemático da laje steel deck

  • Modulação

Utilizamos uma malha quadrangular de 0,40m de lado para a concepção do módulo base. As medidas dos cômodos que compõe o módulo grande ficaram basicamente 3,20m, 3,60m e 4,80m. As divisões internas seguem a linha da malha e dividem-se conforme a necessidade de cada uso.

Modulação em 0,4mx0,4m (Clique aqui para ampliar a imagem)

Vedações externas e internas

  • Vedações externas

A escolha das vedações externas levou em consideração conforto térmico no interior da moradia. Foram utilizadas placas cimentícias em algumas fachadas e painéis de madeira em outras. As placas cimentícias formam um sanduíche, recebendo uma camada de lã de rocha entre elas, para isolamento termo-acústico.

Detalhe da vedação externa

  • Vedações internas

Para as divisões internas, optamos pela vedação em dry wall, que possui menor espessura em relação às demais, aumentando a área interna utilizável. Ela também confere leveza à obra, além de levar menos tempo para sua execução e redução nos custos. Quanto ao isolamento acústico, no interior das placas de gesso da parede, utiliza-se uma camada de lã de rocha, que garante também conforto térmico.

Detalhe da vedação interna

  • Cobertura

Na cobertura também foi utilizada a laje steel deck. Nos prédios de 4 pavimentos serão utilizados telhados jardim, e neles serão instalados os painéis solares. Nas casas, todas terão telhado jardim, exceto a parte do terraço do módulo de 2 andares, que será de concreto e revestimento em piso cerâmico.

Acabamentos

  • Piso

O piso utilizado em todas as residências é o mesmo, cerâmico de baixo custo. As peças escolhidas são quadradas, de 20cm de largura, o que reduz as quebras de piso devido a peça se encaixar na malha utilizada para a concepção da planta baixa. Os decks das casas térreas e de 2 pavimentos serão de madeira tratada.

  • Esquadrias

Foram escolhidas esquadrias de alumínio para os conjuntos. Além de sua fácil instalação, são duráveis e de baixo custo e manutenção. As janelas possuem três abas de correr, duas venezianas de alumínio e uma de vidro transparente. Teremos três padrões básicos, sendo uma de 1m de altura e 0,4m de largura, outra de 1m de altura e 0,8m de largura, e as dos banheiros, com 0,5m de altura e 0,8m de largura.

  • Escadas

As escadas dos módulos de 2 pavimentos são metálicas, pré-fabricadas. Elas já vêm prontas, modulares, e são apenas colocadas no local previsto. Os próprios pedreiros conseguem manuseá-la, devido seu baixo peso, sem necessidade de usar maquinário para isso.

  • Painéis solares
Os painéis solares estão no telhado jardim dos módulos. Sua inclinação é de 27° em ralação à horizontal, e sua superfície fica voltada para o norte, conferindo maior rendimento dos coletores.
Arquivos:
About these ads

Uma resposta to “CONJUNTO HABITACIONAL DO CARIANOS”

Trackbacks/Pingbacks

  1. CONJUNTO HABITACIONAL DO CARIANOS « Projeto IV UFSC 2010 – 2011 - dezembro 7, 2011

    [...] http://grupozenite.wordpress.com/2011/12/07/conjunto-habitacional-do-carianos/ Like this:LikeBe the first to like this post. from → Material 2010/2 ← Manguetown – Projeto Final No comments yet [...]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: